Sorocaba e a criação de vínculos no Jardim Carandá ‹ Teatro a Bordo